1/6

Capital Europeia da Cultura – Guimarães 2012

Projectos com Comunidades

Enquadramento

 

A convite da Área de Comunidade da Capital Europeia da Cultural – Guimarães 2012, a PELE iniciou em 2011 projetos nas freguesias de Fermentões, Ronfe e Creixomil.

 

Os processos de criação coletiva desenvolveram-se a partir da identidade, vivências e problemáticas da comunidade, mas, sobretudo partindo daquilo que a comunidade queria exprimir. Este trabalho resultou na apresentação de três espetáculos: um resultante da residência artística com a população de Creixomil que revisitou e reinterpretou uma celebração daquela comunidade, a "Nossa Senhora da Luz" e dois espetáculos de Teatro Fórum (uma vertente do Teatro do Oprimido criado por Augusto Boal, já aqui citado), "FABRICAR" com um grupo de adultos de Ronfe, muitos antigos trabalhadores da indústria têxtil, que se focaram na precaridade laboral naquele contexto fabril; e "PARQUÊ" com jovens de Fermentões que ali representaram um problema que sentem na freguesia: a desigualdade de oportunidade de um grupo de jovens que vivem num bairro social. Ambos os espetáculos partiram de histórias reais partilhas pelo grupo e para além da representação da sua história, o público teve a oportunidade de intervir, conduzindo a uma ativação crítica, à participação cívica e à procura conjunta de soluções no seio da comunidade.

 

Ambos os grupos: Grupo de Teatro do Oprimido do Centro Social de Ronfe e Grupo F21 (Casa do Povo de Fermentões) continuam ativos, integrando a rede de Teatro do Oprimido promovida pelo Núcleo de Teatro do Oprimido do Porto.

 

Em 2012 a PELE deu apoio à Direção Artística do espetáculo de encerramento da Capital Europeia da Cultura – Guimarães 2012 “ Então Ficamos …” em ensaios específicos com a comunidade.